.

.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Mais, mais, mais Diana

.
Tá bom gente, vocês sabem que como boa libriana, eu sou obsessiva. Isso quer dizer: mais Diana Krall. Esse é o vídeo feito durante sua turnê no Brasil, que resultou num CD incrível de bossa-nova.

Aqui ela fala dos shows no Brasil, suas percepções, a gravação do CD, como rola a comunicação entre os músicos e, estes mesmos músicos renomados, falam um pouco de seu estilo leve e poderoso. Conta também, que o público brasileiro foi responsável pela sua vontade de gravar o CD Quiet Nights, ou, Corcovado. Finalmente ela dedica tudo a seu marido, e a seus filhos. O marido? Nada menos que Declan Patrick Aloysius MacManus, ou Elvis Costelo.

Já que comecei, deixa eu terminar neste post, a minha sina Diana Krall.

Quando ela esteve no Brasil em 2007, o show ofical estava fora das minha posses. Prioridades minha gente. Então, como moça popular que sou, despenquei num domingo, ao meio-dia, com a Mila(amiga do peito) e o Daniel Sun, no Parque Villa Lobos. Terror total! Sol ardente, milhares de pessoas, sem lugar pra se mexer, pra sentar, pra respirar. Sou popular, mas nem tanto né? Bem, começa o show e eu procurando a Diana. Eu via o palco bem de longe e uma mancha azul-turqueza se movimentando. O Daniel disse - mãe, a Diana é a de blusa azul... - deu pra entender? Não vi nada, mesmo porque fui embora correndo pra casa e fiquei ouvindo os discos mesmo.

Ano passado, ela vinha novamente em turnê. Dessa vez, minhas posses deram pra comprar o ingresso. No dia em que abriu a bilheteria, estávamos lá, eu e o Daniel, que não me deixa mentir. Compramos e voltamos pra casa, cheios de alegria e esperança, rindo como dois bobos que somos. Mas não é que o Daniel ficou doente - bem no dia do show - e não podia sair de casa? Eu, como mãe amantíssima, solidária e burra, também não fui.

Vai daí que tenho uma síndrome com a Diana. Espero que passe logo. Esse DVD novo me deixa bem pertinho dela, principalmente agora que comprei uma TV grande, LCD, FOOL HD, HTMI, seja lá o que tudo isso signifique. Sei que é boa a bichinha.....

Nessa hora agradeço à Nossa Senhora da tecnologia, por essas oportunidades que o século XXI oferecem.

E vamos ao vídeo.

6 comentários:

dani.penna disse...

É foda!
Além de linda, loira e cantar prá burro, a moça é uma fofa...
Não é justo!
Ou é, e a gente pode aproveitar...
Né?
beijos!

Walkyria Suleiman disse...

Claro que é justo, cada um tem o que merece minha filha. A gente tem que ter cuidado ao inferir coisas acerca de vida dos outros. Na verdade, tudo é aparência, ou sugestão da gente. Vai saber, ela pode ser agente secreta, viver numa loucura, pode ter uma doença fatal, ser sado-masoquista....hehehe. As pessoas são surpreendentes, de perto.

sam rock disse...

Sen dúbida, Diana Krall ocupa un lugar preferente na actual música, pero tamén é verdade que o repertorio do disco que vôçe comenta xa forma parte da música popular máis universal. Vostedes en Brasil, dentro das moitas riquezas que teñén, contan cun filón inesgotable de música feita canción, e viceversa.

Unha aperta

Rê :) disse...

Ai... a-do-ro!!!!!!!!!!!!!!!

Walkyria Suleiman disse...

Sam e R"e, vou economizar respostas....rsrsrs, e a Diana dispensa muitas palavras. Simplesmente divina!

Sylvio disse...

Já tinha ouvido falar dela. Primeira vez que a ouço. Graças a vc...


voltar pro céu