.

.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Nível de felicidade

.
Meu carro predileto foi sempre a Parati. Já tive várias. Há um tempo, forçada pelas circunstâncias, tive que me conformar com outro carro. Vá lá, andava, estacionava, funcionava direitinho, mas não era a Parati, com aquele barulho de motor maravilhoso que ela faz quando acelera, vruooooooooom....

Depois de algum desterro, Triângulo das Bermudas, Estreito de Magalhães e outras tormentas, finalmente cruzei o Cabo da Boa Esperança. Quero dizer que comprei outra Parati, preta, linda, brilhante, potente. Tá certo que isso já faz quase três anos, e aí chego ao motivo de falar da minha Parati.

Todo dia, quando desço pra sombria garagem do prédio onde moro e avisto a bichinha ao longe, meu coração se enche de gratidão, porque ela está ali, é minha, ninguém tasca e foi muito querida. Ou seja: eu sinto por ela exatamente o que senti no primeiro dia em que a vi. Isso mostra o meu nível de felicidade, significa que ele perdura, que ele é consistente. Meu nível de felicidade não está ao sabor dos ventos do marketing e da publicidade. E mais, minha felicidade não é um bicho manhoso dentro de mim, que fica, a cada momento, pedindo mais e mais.

Comparo este sentimento, ao olhar que dispensei aos homens pelos quais me apaixonei. Sempre que eles chegavam (cada um a seu tempo, né) eu os via como da primeira vez. Mesmo em meio às atribulações e atritos de uma relação, a graça do primeiro olhar perdurava. Quando isso acabava, eu sabia que havia dançado o amor.

Mas enfim, acredito muito nessa felicidade que está presente e não se desgasta com o tempo, como acredito também que ela é amiga inseparável da gratidão. E quem pode negar que gratidão é um dos sentimentos mais rejuvenescedores da vida? Sentimento de mão única, poderoso e leve, lançado de coração para o universo, livre e sem retorno.
.
E olha ela aí.... em primeiro plano, envolta nas brumas da manhã. A foto foi tirada este ano pelo Ian, em Camanducaia.
.

2 comentários:

Senhor da Vida disse...

Voce falou tudo, ou mantemos o nivel de um sentimento por algo ou alguem, ou deixamos que a vida trace novos caminhos.
Tambem sempre procurei nivelar meu sentimento junto aos parceiros, tb cada um a seu tempo, mas quando algo nao era mais natural, hora de mudança,a vida tem a sua temperança.
bjs, linda Parati.

Walkyria Suleiman disse...

Saudade de vc... de sua sempre bem-vinda lucidez.


voltar pro céu