.

.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Preguicite

.
foto - Daniel Suleiman, e a pessoa sou eu ué!


Hoje acordei com preguicite,
Uma inflamação crônica que tenho.

Uns dizem que é genético
Outros, que é por causa do meu signo,
Libra, muito eclético.

Mas o fato é que meu coração permanece cético.
Só quer poder ser inflamado,
Ainda que por uma doença mal-vista,
A preguiça, não se importando em ser difamado.

Ele gosta!

Ter preguiça assim,
Nesses tempos de tanta ansiedade,
Lhe dá uma noção vaga - eu diria -
Quase uma esperança,
Que há muita estrada,
Muito tempo,
Muita vida ainda,
Antes do tão aclamado nada.
.

16 comentários:

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Tá bom, ritmo de feriado gentefina, mas se eu tivesse grudado no meu corpo, aquele breguete que mede quanto a gente anda, eu andei uns 80km aqui dentro do meu AP.

Mexe nisso, costura aquilo, muda de lugar, limpa, espana, lustra, remexe, destroca e troca....ai, mil coisa.... se passar a preguiça, conto das cortinas que coloquei.

Tania regina Contreiras disse...

Mas taí, eu concordo, Wal, poder se deliciar com a preguição traz mesmo uma esperança enorme de que há tempo, muito tempo ainda: e quem disse que não há? Os minutos vividos intensamente alongam a vida...
Beijos,

Gerana Damulakis disse...

Tão bom curtir uma preguiça. Gostei da esperança de que há muita estrada, vou procurar ter isso em mente. Gostei de ler e encontrar tanto "antes do aclamado nada" (bonito, Wal).

Ralph disse...

Thanking you for visiting my blog I came to yours and I leave in a thoughtful way for this I thank you. I will follow.

Lisarda disse...

Belo poema e imagem, Walkyria.
Adoro as fotos em branco e negro.
Isso de
Que há muita estrada,
Muito tempo,
Muita vida ainda,
parece mesmo dito por a luz que entra pela janela.
Um abraço.

Lua Nova disse...

Adorei isso... nunca tinha percebido o íntimo da sensação que tenho quando fico de preguiça na cama mais tempo do que o costume... é exatamente essa.. como se tomasse as rédeas do meu tempo e, de repente, a vida também se espreguiçasse e se estendesse ao meu bel prazer...
Que bom que é...
Lindo, lindo...

betina moraes disse...

rss,

uma graça a preguicite aguda... rss

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Tania
é mesmo, alongam a vida, dão alegria, esperança, que bom vc vir me lembrar disso.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Gerana
vc sabe como admiro vc, como me sinto importante com seus comments, e com sua amizade.
Vamos lá, Geraninha, vamos viver a vida antes do nada, que tem muito chão, talvez até depois do nada, quem sabe.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Ralph,
your friendship and cometary amaze me. Thank you my friend

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Lisarda
que bela interpretação. Sim, unida à preguiça e calma, está essa luz anunciando a vida. Obrigada por vir me ler.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Lua Nova
essa é a sensação que não consegui descever e vc descreveu tão bem. Ter a vida nas mãos.....
obrigada minha lua querida, por tua luz nas minhas palavras.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Betina
um dia, um dia ainda ficaremos juntinhas, de preguicite e tudo!

nydia bonetti disse...

sofro desse mal - mas comigo a coisa é crônica. acho que já nasci assim. mas também acredito que há muita coisa ainda pela frente - apesar da preguiça. :) também sou "quase libra" wal - uma questão de minutos. nasci na virada do dia 22 / 23. virada de signo, de estação, equinócio de primavera - uma confusão astral - mas muita gente acha que sou libriana pura. :)
adorei o poema. beijoos.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Nydia
já sou a favor de vc ser libriana...hehehe

existe muita coisa Nydia, e a gente ter essa doença de escreve, declara isso abertamente.

Nydia, ter vc aqui me deixa muito feliz, emocionada e grata. Sua opinião sobre a vida e as besteiras que pensamso e sonhamos, conta muito pra mim.

ju rigoni disse...

Adorei! Esse poema tem tudo a ver com o meu momento. Aliás, acho que já disse isso em outro comentário.

Bjs, linda. Indo...


voltar pro céu