.

.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

São Valentim


Pois é, cada dia que passa, fica mais patente para mim, que não vale a pena ser uma santa. Primeiro porque ninguém reconhece mesmo, segundo porque você, santa, tem que morrer, normalmente de um modo bem tenebroso, para que depois, digamos uns 300 anos, alguns fiéis (vindos não se sabe de onde) façam cartas, moções e mocinhas para o Papa, implorando sua canonização. E aí, me conta? Qual a vantagem? Seria a publicação de milhares de santinhos com teu rosto de sofrida, espalhados pelos açougues, farmácias e cabeleireiros da cidade?

Tava pensando nisso, porque fui lá cavar a origem desse tal de São Valentim. Não deu outra, coitado, teve aquela vida dura e ainda foi morto pelas autoridades do seu tempo.

Então moçada, o negócio é deixar de procurar a tal santidade, viver nossa tão adorável, obtusa e mortal humanidade, porque essa farra aqui na Terra vai acabar. Quem viver verá!

Segue então, um resumo da vida de São Valentim, tirado da Wikipédia. E olha que graça a fofa (ou fofo, não sei) do cartão postal ao lado. É de 1910 a raridade.

São Valentim

"Durante o governo do imperador Cláudio II, este proibiu a realização de casamentos em seu reino, com o objetivo de formar um grande e poderoso exército. Cláudio acreditava que os jovens se não tivessem família, se alistariam com maior facilidade. No entanto, um bispo romano continuou a celebrar casamentos, mesmo com a proibição do imperador. Seu nome era Valentim e as cerimônias eram realizadas em segredo. A prática foi descoberta e Valentim foi preso e condenado à morte. Enquanto estava preso, muitos jovens davam flores e bilhetes dizendo que os jovens ainda acreditavam no amor. Entre as pessoas que deram mensagens ao bispo estava uma jovem cega: Assíria filha do carcereiro a qual conseguiu a permissão do pai para visitar Valentim. Os dois acabaram-se apaixonando e ela milagrosamente recuperou a visão. O bispo chegou a escrever uma carta de amor para a jovem com a seguinte assinatura: "De seu Valentim", expressão ainda hoje utilizada. Valentim foi decapitado em 14 de Fevereiro de 270 d.C."

.

10 comentários:

Lu Cavichioli disse...

Oi Wal, já vi que és paulistana, como eu. Viva a Paulicéia desvairada e viva nós que estamos desfrutrando do feriadão nessa calma que fica a cidade.
Tb não viajei, to aqui na boa.

Te achei na Lany. Me vista quando puder, vai ser um prazer!!

Bjka e bom feriado.

Lu

Walkyria Suleiman disse...

Oi Lu, que legal te conhecer. Vou correndo te visitar, é pra já!

Renata de Aragão Lopes disse...

Discordamos, Wall, em razão de minha já manifestada crença.

Assunto muito sério é a vida de um santo. Sofrida, na maioria das vezes? Sim, mas sempre em nome de uma causa muita maior.

Nasci, a propósito, no dia de São Valentim, considerado o dia do amor. Como poderia não gostar dele e admirar sua coragem de infringir uma regra injustamente ditada pelo governante da época?

Quem dera tivéssemos, hoje, essa bravura para lutar pelas causas em que acreditamos...

Um beijo.

Walkyria Suleiman disse...

Renata, eu sou cristã, tenho minhas crenças, e sou bem feliz assim. Acho também que sempre tive bravura pra lutar por tudo em que acreditei, como penso que vc também. Do latim, santo significava sanador, ou curador. Nesse sentido, somos todos santos, sanadores, pois podemos, de inúmeras maneiras, curar o nosso próximo. Né não?

Pedro Antônio disse...

É, verdade! Tem razão!...

Mas e eu? O que eu faço?

Sou duas vezes santo: "Pedro" e "Antônio"!

:)

Ótimo texto!

Beijooooooo.

Pedro Antônio - A TORRE MÁGICA

Walkyria Suleiman disse...

Pedro Antônio, duas vezes santo, e milhões de vezes simpático, inteligente e bonito. Pode isso?

Renata de Aragão Lopes disse...

Com isso, concordo! : )
Feliz sexta-feira dos namorados!
Beijo.

Robson disse...

Oi Walkyra, cheguei aqui através do blog do Luis (vitrolaencantada), neste universo compartilhado de blogs, tô me apresentando, também tenho um (cantodocalado.blogspot.com), nada muito sério, só para disopilar e falar do que gosto muito, que é a música.
Achei legal teu blog, despojamento total, quanto a ser santa, acho que uns nascem pra ser santos, outros para serem demônios e como estamos no Brasil, outros ficam entre DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL.
Beijos
Robson Calado

Walkyria Suleiman disse...

Menino que vc lembrou muito bem. Porque de anjo e demônio, todos temos um pouco, ainda mais aqui, na terra do sol.

Walkyria Suleiman disse...

Renata, nem sempre precisamos concordar. Fica só registrado na mente. Um dia a casa cai, o pensamento cai, as coisas andam. Se a gente fica muito presa em "concordo, discordo", a gente corre o risco de engessar a mente. Abração procê.


voltar pro céu