.

.

domingo, 5 de julho de 2009

Mágoa, tesão e tudo mais


Ontem eu falei sobre apenas fazer aquilo que nos diverte. Fui monossilábica e, gostaria agora de me aprofundar um pouco. Não por vaidade ou falta do que fazer. Não posso precisar a razão, mas tem algo a ver com as mais de 6 milhões de opiniões flutuando por essa estratosfera.

Sinto que vivo num mundo de ilusões, num mundo onde crio e descrio o que bem entendo, na hora em que bem entendo, como fazem todos os humanos dotados de livre-arbítrio (embora alguns digam que não tiveram escolha na vida)

Na maioria dos casos, tudo aquilo que percebo, não tem muito a ver com a realidade. A realidade está aí, do jeito que ela é, os fatos estão aí, literalmente cagando para as minhas opiniões. Mas o que ocorre, é que eu acredito nas minhas opiniões, mesmo que elas não reflitam a verdade dos fatos. Sem esse movimento eu não poderia estar viva, literalmente falando. Coisa difícil de alcançar, na medida em que, de cara, tem pelo menos mais de 6 milhões de modos de refletir “supostamente” os fatos, e a verdade dos fatos, se é que isso, um dia, possa vir a ser acessível a nós.

É neste momento que você acha que a minha viagem já foi longe demais, ou que eu estou falando asneiras, ou que isso é pura metafísica, ou qualquer outro pensamento, que mesmo original e verdadeiro (pra você e sua turma, lógico) dá absolutamente no mesmo. Ou seja: pense você o que pensar, a exemplo do que escrevi acima, dificilmente vai acertar na quina do meu pensamento, ou melhor, dificilmente você vai estar vendo estes fatos reais com a minha subjetividade.

Porque, gente fina, afinal, cada um tem sua própria subjetividade, é assim maomeno como um item de fábrica também. Digo mais ou menos porque a nossa subjetividade aceita adicionais. Então tem gente que aceita, em sua subjetividade, traumas de infância, maus tratos, falta de amor, abandono, fracassos profissionais, perseguições generalizadas, falta de dinheiro, humilhações... gente, vocês tem esse manual, né?

É impressionante a lista de opcionais que podemos escolher.

Mas, sem dúvida (pra mim, né), o pior opcional é a "mágoa". Você pode dizer que é o melhor, afinal, quando você conta aquela história cabeluda de como foi passado pra trás por aqueles que mais amava, as pessoas te olham com cara de pena e justificam, isso quando não aceitam, todos os erros que você comete.


Bem, não é o meu caso. Eu tenho achado que essa cara de pena só está atrasando minha vida, a minha maturidade, e porque não dizer, a minha capacidade de me divertir, porque, veja bem. Uma pessoa magoada não pode se divertir. Ela tem sempre que carregar a mágoa com ela, dar espaço pra mágoa sentar junto na cadeira, pra mágoa se meter em suas novas relações e, o pior de tudo: tem que dar voz à mágoa no quesito “eu sou uma coitada por tudo que me aconteceu na vida.

Gente, tô com a macaca mesmo. To muito cheia desta história e não sei bem onde está minha mágoa. Eu achava que não tinha mais a mágoa..... mas sabe, não é sempre que me divirto e isso é um sinal de que a mágoa está grudada em algum arquivo, que não foi totalmente desinstalada da minha CPU. Sou oscilante, alguns podem até achar que sou falsa, porque tem dia que me divirto, e tem dia que, com o mesmo fato eu me derreto em auto-comiseração, e só consigo pensar: ai, como sou infeliz.... como me faltou isso e aquilo, como fui contaminada por minha criação, família, cultura, escola, e o escambau.

Ou então apelo pro mundo atual, que também é aliado da minha mágoa. Poxa, num mundo como esse, como é possível ser feliz? Como confiar, como se entregar? Ah, pobre de mim.... tão sozinha nesta arena de vaidades, eu tão humilhada, tão pequenina frente a isso e aquilo (isso e aquilo, são variáveis abertas, mas a fórmula é sempre a mesma).

Bom... sei não, me embananei legal. É a mágoa sabe, é a mágoa disfarçada, entre os opcionais que escolhi no catálogo terrestre.

Porque de fábrica, eu vim pra terra bonitinha, risonha, alegre, maravilhada com cada pequenina coisa que fui descobrindo neste mundão velho de guerra. Eu olhava o mundo, as pessoas e sorria, e sentia uma felicidade imensa de estar viva. E o engraçado, era eu nem sabia que existia esse lance de estar viva.

Eu apenas vivia, como vivem as flores, os animais e as fadas.

Onde foi que eu mudei?

Onde foi que eu sei tudo e nada mais é uma surpresa, a não ser aquele momento em que eu falo: eu sabia, sabia que fulano ia me trair, ia me amar mal. Ou que é sempre assim comigo, ou ainda, o que mais me irrita, "é meu carma".

Olha, vou dar um exemplo bem real, pelo menos para 1 milhão de pessoas. Quando a gente está dentro de uma relação conjugal, e a gente ama essa pessoa, no caso de estar magoada com ele (ou ela) por algum motivo, não dá pra fazer amor. Fazer sexo, até que dá. Tipo com violência no coração, tipo que chora depois de gozar, ou durante, ou sei lá as variações. Como já disse mais de uma vez (quer que eu desenhe..rsrs, pra relaxar gente) teríamos numa enquete, mais de 6 milhões de variáveis.

Voltando ao tema "fazer amor", é um amor triste, acabrunhado, sem tesão. Não sei, mas fazer amor se estou triste e magoada com meu parceiro, rola desta maneira.

Então, quando existe a mágoa, o tesão não vem. Quando a mágoa é soberana, o tesão fica lá, encolhidinho, murcho, quase mortinho da Silva Xavier. Acabou o exemplo.

Pra viver uma vida de felicidade, é imprescindível ter tesão, porque só o tesão promete e cumpre a diversão garantida, aconteça o que acontecer, tudo é conversável numa cabeça conversível. Afinal, sem capota na cabeça, sem nuvem preta rondando nossas ideais, mandando pro coração as velhas mensagens de "coitadismo" (palavra legal, né não), qualquer divertimento vem, deita e rola. Pode brochar, pode chegar alguém, pode até, desculpa gente, soltar um pum. Tudo vira motivo de riso, divertimento. Isso, amigos, é o tesão.

Item de fábrica, que sofre danos irreparáveis quando a gente opta por colocar na nossa máquina aqui, o sobressalente mágoa.

Pensem nisso.... eu continuo pensando, porque todo mundo sabe que, e já dizia Lao Tsé em 640 antes de Cristo, "Saber, e não fazer, ainda não é saber".

Assim, Roberto Freire quando disse “Sem Tesão Não Há solução”, talvez quisesse se referir a isso. Ou não. Fica pra gente o que vale ficar. Cada alma decide o que vai guardar, e quantas correntes amarrará aos seus pés para serem arrastadas vida afora. Cada um que decide, não tem boca livre na vida. Livre arbítrio é isso. Não posso NUNCA mais culpar alguém pelas minhas miserabilidades.

Ilustração - Mari Fontes

Não sei, mas gosto de pensar numa imagem que ouvi no ótimo programa da Litoral FM, o programa do Américo Barbosa, Limiar da Nova Era. Ele disse maomeno assim. Que Deus todas as noites olhava meu jogo, pedia mais uma carta, analisava com um olhar amoroso, coçando a barbicha e, depois, apesar de muitos anjos acharem que eu era carta fora do baralho, Deus jogava mais uns dólares no centro da mesa e dizia: eu aposto nela. E outro dia raiava na minha vida, apesar de nem sempre eu jogar limpo, apesar de nem sempre eu jogar certo, até roubar eu roubo, Deus, sim, o meu Deus aposta em mim, há 54 anos, todas as noites.

Mas olha, esse é o meu Deus gente, isso funciona porque eu acredito. A LEI existe pra quem acredita nela, ou a conhece. É meu modo de ver os fatos. E se você voltar ao início deste texto, verá, que meu modo de ver as coisa, não reflete a verdade dos citados fatos.

Mas reflete, com muita vontade, a luz do meu coração. Ela pode iluminar o teu, ou criar outras sombras, pois quanto maior a luz, maior a sombra que ela revela. Ou cegar de raiva. Vai saber.

Mas o bacana disso tudo é que, pense você o que pensar, nada muda, a não ser que você possa, sem mágoa, com amor, iluminar meu coração. Então, vai ligar a tomada, ou tá difícil?

18 comentários:

Sylvio. disse...

Isso não é uma 'conversa fiada'..., é um puta dum bate papo!!!!!!! Quase tive um orgasmo!!!! (Rêrêrê!!!!)
Nem sei por onde começar, faz tempo que não vejo tanta riqueza numa pag só. Na verdade, não há um "começo", pois existem varias ideias nese assunto, ele é rico por si só, mas..., vamos ver. Serei sucinto: suas opniões não refletem nada de "fora", mas de "dentro" de vc. A verdade também, é interna. Contrapondo nossas verdades, com carinho e amor, alcançaremos um nível de relacionamento aonde nos lembraremos Quem Somos Realmente. é nesse 'relembrar', 'descobrir-se', que está a razão da vida. Não há renovação nos pensamentos, só na vivência: aquele m momento em que vc está ciente, conciente, e sentimentalmente desperta.
As magoas e outras idiossincrasias não estão escondidas, estão pela aí..., esperando que vc pense nelas. O pensar é uma merda, é o gatilho de muitos dissabores..., quem diz isso (com total razão), é Krishinamurti.
Por isso não "penso" mais quando vejo uma mulher: isso evita que eu fique "imaginando coisas".
Se eu sentir algo, é porque estou sentindo MESMO!
Bem, depois eu volto.
Qui dilicia te ouvir.

Walkyria Suleiman disse...

É Sylvio, elas estão pela aí mesmo, vc disse tudo. Mas eu acredito no pensar. Não se pode falar mal do carro por causa do motorista.
bjs da walll

zé márcio disse...

Oi Wall,
O Silvio já deu a dica... hehe, mas como vc ainda acredita no pensar, pode então tentar pensar diferente né, tentar algumas variações...
Acredito que os sentimentos estão dentro, não vem de fora, a mente interpreta, se apega no pensamento e aí a gente entra no círculo vicioso... e a única maneira de sair é rompendo o círculo... cabe sempre a pergunta: por que estou me sentindo assim ou assado? o que motivou este sentimento... se lembrar de fazer a pergunta, já basta, fique quieta, espere, na hora que vc não estiver pensando a resposta virá, e aí vc se lembrará que tinha feito a pergunta. ficou muito complicado? abs.

Rê :) disse...

ADOREI. Explêndido.

Mimi disse...

Ah, Walll , queridíssima!
Como é complicada a mente humana,né?Cê tem razão, temos muitos opcionais na vida, mas o tesão de viver não é opcional. É item de fábrica, e às vezes vem meio danificado.Não dá pra curtir algo que não se possui. Mas o bom de tudo é que sempre há uma saída, seja ela de que natureza for.O livre arbítrio vale pra tudas as escolhas que se faz.Dá pra melhorar muito, believe-me!

Ligia disse...

... bom é lançar-se às cegas em tudo, sem a preocupação se vai bater a cara em algum lugar...
Se uma hora a gente acha e perde o que realmente faz a gente se divertir, a gente repete o processo.
Extrair o lírico do caos... aí, o tesão fica sendo a feliz consequência disso.

Walkyria Suleiman disse...

Zé, se vc prefere entender a mente como um oráculo, a gente pergunta e espera a resposta do mestre, vá lá. Eu não vejo a mente com esa bola de crista encrustada nela. Fazer a pergunta, é esperar que o pensamento se forme. Se vc vai curtir o pensamento, ou pensar +, isso varia. Mas pensamento esfinge....hum.....me deixa assim meio egípcia demais. Antiga sabe. Eu acho a mente bem legal. Pensar é bom saudável, maravilhoso. Se apegar ao pensamentos que não é bom, pois bloqueamsos o livre pensar, que repito, para mim, eu gosto, eu adoro pensar, eu viajo, eu vejo, eu imagino, eu me dou muito bem com o pensamento.

Walkyria Suleiman disse...

Obrigada Rê, por vc ter lido. Depoi te conto o que me irrita....hihihih. O posto do teu blog sobre coisa que nos irritam, to louquinha pra falar.

zé márcio disse...

Então Wall, vc já disse do que gosta e como gosta, acho que estamos falando a mesma coisa, mas de formas diferentes, estou praticando atualmente e isso já tem um bom tempo, sobre a frase que li: Não pense, olhe, ache!
... e tenho experimentado olhar, e algumas vezes, o achar, e tem sido muito interessante.
Quanto mais eu olho, mais acho.
Tenho visto muita coisa que já está aqui, faz um tempão, do meu lado, na minha cara, em tudo pode-se dizer. Eu não via por quê?
Olhe um pouco por este lado, só veja o filme, depois vc me conta.bj.
p.s.: entrei e achei que pode ti interessar.
http://www.digestivocultural.com/editoriais/release.asp?codigo=283
abs.

Marcelo Negs disse...

"Ou seja: pense você o que pensar, dificilmente vai acertar na quina do meu pensamento, ou melhor, dificilmente você vai estar vendo estes fatos reais com a minha subjetividade."

Walkyria Suleiman disse...

Mimi... se vc falou, eu acredito. Dá sempre pra melhorar, e pra piorar tbm!

Walkyria Suleiman disse...

É Ligia, a gente nunca sabe onde vai dar nada...e assim que é bom, né? Afinal, que é saber algo?

Walkyria Suleiman disse...

ô Zé, entendi, vou ter virar Oshista ao invés de achista....hehehe

Walkyria Suleiman disse...

É Marcelo, eu acho que nem a gente acerta a quina do pensamento da gente. Vc me pegou heim?

tdk disse...

ehehehehehehehehehehheehehh!!! Que papo boommmm de rir...!!!Bjs!!!

Walkyria Suleiman disse...

Então vai rindo, uai!

Jorge disse...

Orra, a parada eh dificil mesmo...Fiquei umas duas semanas olhando pra historia de ler algo com o titulo `magoa e tesao`...De certo, pensei q o tesao mataria a magoa,e vice versa...O Glauco manda bem com isso, quando desenha os `neuras` carregando a magoazinha pra cima e pra baixo...
Bom, o que posso dizer, direto de Sydney, onde moro atualmente,eh que em qualquer lugar do mundo podemos levar as magoas, e viver sem tesao...Quer dizer, cagar na propria cabeca eh facil...pode ser prazeroso, ate, uma vida de `coitadismo` (boa essa,Wal!),mas eh tao incompleta! Viver com tesao eh melhor,mas nao adianta se cobrar quando nao da,vao alem do pensamento essas coisas...viver,entender as magoas,passar adiante,voltar...ter tesao,muito tesao, endoidecer de tesao, quebrar a cara, o corpo, recuperar...Enfim, amor,movimento, sao a vida.
Beijos wallabies
Jorge

Walkyria Suleiman disse...

Pois é Jorge, sabe que lendo agora, depois de um tempo, até acho que vc tem razão. Imagina só, eu querendo me meter a saber das coisas....o que a gente pensa um dia, não cabe no outro. Como vc disse, essas coisas vão além do pensamento. Então eu escrevo, organizo, e depois, de posse da ordem, e de pensamentos sutis como o seu, desorganizo.... bacana né?


voltar pro céu