.

.

sábado, 22 de agosto de 2009

Cuidado gente fina, isso também é com vocês


Lei seca, proibição do fumo, artigos que não podem ficar exposto nas prateleiras das farmácias, varrer o Tamiflu das farmácias, censurar por 22 dias(até hoje), o jornal Estadão, tudo isso se chama tolher a liberdade do indivíduo, desculpe muito.

Pensar que as pessoas são incapazes de discernir, de resolverem o que é melhor para elas, de escolher as medidas de sua própria vida, isso se chama também, paternalismo.

Muito pai e mãe acabam com a vida dos filhos dizendo que estão fazendo o melhor para eles mesmos. Atrocidades inenarráveis foram cometidas no curso da história, por aqueles que acreditavam estar fazendo o melhor para o outro, ou seja, decidir por ele.

À parte os bem intencionados - que por sinal são um saco e apelam para religião, ou chantagem emocional, - via de regra esse tipo de comportamento é o cerne do totalitarismo, da ditadura e de todo tido de servidão.

Não permitam, gente fina, serem enganados só porque vocês não fumam, ou não bebem, ou não compram remédios de forma indiscriminada. Um dia, uma dia, uma dessas medidas cerceativas vai chegar na tua casa, na tua vida, na tua família. Como chegou na Pérsia, na China, no Japão, na Alemanha, na Polônia, na Espanha, na Itália e no Tibet(cito mais algum, ou já deu?).

O poder é muito criativo, a história está aí e não mente, vocês que teimam em fechar os olhos e ficarem confortáveis, só no julgamento, esperem viu, porque Deus dá e Deus tira: "Isso eu gosto, ah isso não gosto. Ah, essa foi bem feita, poxa essa não gostei."

Quando o verdadeiro risco da perda de liberdade esbarra no ego e na soberba das pessoas, valha-me Deus, o fim está próximo.

Ou bem somos livres para escolher nossos hábitos, nossos amigos, amantes, nossos médicos e remédios, nosso restaurante e condução, ou não somos livres. É na exceção e omissão branca, aquela professada por egocêntricos irresponsáveis, que mora o pecado da humanidade. Depois, não vem dizer que eu e a torcida de filósofos da Ética, como Espinosa, por exemplo, não avisamos (ai, ai, me comparar ao Espinosa foi demais!).

E aqui uma fala do ótimo, correto, esperto e adorável Ricardo Noblat:

"O Brasil vive uma fase kafkiana: há liberdade, democracia, mas direitos individuais, inscritos na Constituição, começam de forma crescente a ser tolhidos por normas, portarias e leis redigidas alegadamente para defender a população. O Estado quer trancar a sociedade numa redoma, em nome da segurança dela, e ficar com a chave."
.

11 comentários:

Felipe Braga disse...

Na boa, amei teu post!
É preciso discernimento para separar censura de "medidas para o bem de todos".
Estou te seguindo.
Beijos.

Sou blogueiro - INDICOESSE disse...

Algumas medidas mesmo que pareça tolheção ao indivíduos se tornam necessárias para o bem de todos!

Sylvio. disse...

Tô tão desanimado com coisas relacionadas a política...
Sei que não estou certo, mas, fico pensando: 'bem, daqui a pouco volta tudo ao normal'.
Acho que tem pessoas que têm mais poderes que eu (em todas as esferas) que podem atuar com mais eficiência numa provável mudança de rumos.
Tenho conciência, estou lendo-a, e concordando. Já passamos por isso (de uma maneira mais trágica inclusive).
Considero que tem uns bostas nos atazanando, e não é com Detefon que a gente acaba com eles. O principal, a conciência, nós temos. O resto..., vamos ver como fica. Pois tenha a certeza: ficará! Nada é eterno, né.

EDUARDO POISL disse...

FELICIDADE!

Quando o vento bater à sua porta,
Abra devagar,
Para deixa-lo entrar
Pense quanto de bom poderá receber,
Se estiver pronto para tal,
Mas as conquistas diárias
Estamos sempre apostando tudo
e a cada recomeço,
Percebemos, o quanto é gratificante,
Estar pôr perto de quem se gosta de verdade,
Sua simpatia,
Corresponde o momento de felicidade
e transborda de alegria
o coração de quem recebe.

(Roseli Alcântara)

Desejo toda a felicidade neste domingo.
Um grande abraço.

O Profeta disse...

Não me queres dizer onde mora o teu sorriso
Ausente do incontido abraço
Ausente das palavras felizes
Envolto em nuvem escura no espaço

Não me queres dizer o rumo
Que leva ao teu terno coração
Não me queres abrir as portas
Da cor vibrante da paixão?


Bom domingo



Doce beijo

Walkyria Suleiman disse...

Felipe, tá tudo muito misturado na nossa mente, fruto de medo, ego e falta de dignidade na vida.

Walkyria Suleiman disse...

Blogueiro...hum, opinião não de discute. respeito a tua.

Walkyria Suleiman disse...

Sylvio, me dá um sentimento de impotência e medo esperar pra ver como fica. Não sei a alternativa pra minha ação, mas procuro-a todos os dias da minha vida.

Walkyria Suleiman disse...

Eduardo, duro é ter prazer em ficar perto daqueles que não nutrimos simpatia alguma. Ô vida!

Liège disse...

Não sei se o pior é viver numa época de censura explícita ou numa de falsa liberdade em que tanto se afirma e se defende a de expressão, a de ir e vir, etc, mas o que acontece de fato é que a cada dia algum tipo de censura ainda se faz presente. É triste, mas poucas pessoas conseguem enxergar isso.
No entanto, estou de acordo com a lei seca por uma questão de segurança e respeito não apenas à própria vida, mas também às de outras pessoas. Muitos acidentes de trânsito machucam e matam pessoas inocentes por culpa e imprudência de outras.

Sylvio. disse...

Também procuro, 'meu amor', uso até minha alma para isso.
Ao escovar meus dentes pensando na vida, e na Vida, desencadeio movimentos (cósmicos inclusive), que farão com que as mudanças se sucedam. Neste mundo, neste Universo, na dualidade em que vivemos ( e estamos), o 'mal' sempre estará de braços dados com o 'bem'.
'Procurar alternativas' e 'sentir medo' é só isso: procurar alternativas e sentir medo. A 'ação correta' consiste em estar alerta, desperta, agindo no momento mesmo que estejas 'impotente'.
Sei que a realidade em que vivemos é mais comezinha, cruel as vezes, insensível outras. Mas não é por isso que desdenharei uma Outra.
Talvez vc seja uma fada... :)


voltar pro céu