.

.

sábado, 12 de junho de 2010

Muitas questões







proGeraldinho

Ter, ser,
não ter,
não ser...



Tenho saudades dos seus olhos
Dos tempos de domingo
Na praça, das conversas na praça
Saudades do sol que desapareceu

Agora só tem rosto pra colar no vidro frio
Da janela fria, da tarde fria
E lágrima de chuva pra escorrer no vidro frio
Com pena da lágrima quente
Que escorre quente
Nos olhos quentes

Ter, ser, não ter, não ser...

foto - SheilaDelacroix
.

32 comentários:

Zininha disse...

Sempre o amor dando forma às poesias...

Perfeito amiga...

Beijos...

ah...Quer viver uma fantasia neste natal?
Veja quem chegou de férias no Brasil...lá no meu jardim...

Ricardo Calmon disse...

Olá Kyria amada poeta e miga nossa:

Como o Sol,eclodistes em poema post esse,das mais simples coisas através,destilamos o inesquecível.
Quanto ao blog do mensageiro,lá mesmo onde vc comentou e disse não ter encontrado,tem um comentário de André,do blog do Mensageiro.
Voce é especial,não suma nunca,or favor!

bzu nas mãos!

Viva Vida!

Gilson disse...

Muito linda e profunda. Que bom poder voltar aqui no seu cantinho tão aconchegante.

Saudades

Gisele Freire disse...

Wal
Tão bonito!
bj e bom dia procê
Gi

Wanderley Elian Lima disse...

A saudade é a corrente que nos une a quem nunca esquecemos.
Beijos

ana.d.w disse...

Muito lindo, profundo, reflexivo!:)

Gosto de vir aqui por isso, suas palavras fazem com que pensamos nas coisas que parecem nao ter importancia... O ser e o nào ser, o ter e o não ter, contradições que estão sempre ao nosso lado e as vezes esquecemos disso. Tudo passa, muda, nada volta a ser como antes, isso é o passado, isso é a saudade. Gostei muito Wall!

beijos:*

mikelle disse...

Hi friend! I'm here again to visit. Take care friend! :)

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

É Zininha, sempre o amor, e a gente sempre faltando com o amor....

Aimeslee disse...

Walkyria, thank you for visiting my blog and have a great holidays!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Ricardo, fui, vi e fiquei pasma. Fiz até um post.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Oi Gilson, que saudade..vou correndo no teu blog.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Oi Gi....foi um bom dia sim...e o seu, minha querida....

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Wanderley
pressinto nos teus comentários, que vc sempre está por aqui....verdade... não tenho ponto de interrogação aqui, mas era uma pergunta.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Ana linda menina maluketes, vc pegou bvem, eu tava mesmo às voltas com essa coisa da contradição... incrível.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Hi Mikelle, how are you.... your blog is amasing.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Aimeslee
thank you , and great holidays for you too!

Andrea disse...

Que lindo!
a saudade é quase minha irmã...:)


Bjo!

marinaCavalcante disse...

Nossa... que forte!!!

As últimas palavras, então,
que o digam.

=]

Bom poema! Parabéns!

E que bonita pintura!

Abraços e espero sua visita!

marinaCavalcante disse...

Ps.: Já estou indo lhe seguir
também.

Abraços!

Galaxy6139 disse...

Looks handsome :D

Sylvio de Alencar. disse...

Fica assim não. Não durante muito tempo...
Sentimentos vêm de maneira abrupta, nos pegam às vezes numa janela, olhando pra fora num dia de chuva.
Bjs.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Gentefina
começa aqui

vejam como o Sylvio é fiel.
A Gi anda meio sumida, mas sei que me lÊ.

Marcio Almeida Nicolau disse...

Meu Deus! Que coisa impressionante e triste e linda!

"agora só tem rosto pra colar no vidro frio"

Adorei.

Gerana Damulakis disse...

Companheirismo, conversas, alguma harmonia e cumplicidade; depois, a lágrima quente.

Rabisco disse...

Muito bom!
Muito bonito!
=)

betina moraes disse...

ele, de novo, o mesmo homem agora descrito junto ao frio, não mais junto ao fogo, ao calor da labareda...


caramba, até eu senti saudade do sentimento de antes...

triste e belo, como deve ser o fim de todo amor.

em bendita hora você resolveu criar tal etiqueta para o amor aqui.


beijo.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Marcio!!!!!!
interativo, intermediário....

Marcio, nem todo mundo sabe ver a beleza que existe na melancolia!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

É Gerana....
lágima quente e solitária da saudade.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

BB
a gente tina 15 anos. Anos 70, ditadura, nem tinha DDD, acredita?

Ele morava no Rio de Janeiro.... a gente se via pouco, se falava menos ainda, mas era pura explosão quando eu ia lá na rodoviária esperar meu marinheiro com seu violão na mão.

Aí o Beto Guedes fez....ah telefonista a distância já morreu....
Era a invençao do DDD.

Hehehehe, eu ia em padaria, bar, loja e pedia pra usar o telefone. Fazia um DDD, que ninguém conhecia ainda....feio, mas necessário.

Eu vivia de castigo, nuca ganhava amesada. O pai dele ficava puto dele vir pra sampa, e cortava a mesada. Amigos mais comportados e espertos do que nós, pagavam nossas contas.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

BB
esses amigos, não aguentaram a vida....os dois se mataram. Gigi e Beto.

« Katyuscia Carvalho » disse...

Wal, menina!

Você não precisa de palavra pra morder...
As suas você desamordaça, e algumas vezes já têm em si um instinto mordaz que aplaudo!

Quanto a pássaro... olha bem o poema e vê a bela pena que tens na ponta da palavra.

Beijos.

:))

betina moraes disse...

:(

wal... é a mais bela definição que já ouvi: não aguentaram a vida...

sabe, eu amo a obra do torquato neto e só passei a compreender um ato de suícido depois dele, tem uma coisa de cortar o coração no bilhete de adeus que deixou, o nome do filho dele é thiago, na época com 2 anos, ele disse no bilhete: "não sacudam demais o thiago, ele pode acordar..." nunca esqueci.


voltar pro céu