.

.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

As Alças da Mente - Rosana Hermann

.
Recebi este texto do amigo SérgioTegon e, confesso minha ignorância: nem sabia quem era a Rosana. Dei um google nela, e gentefina, ela é poderosa viu. Sei que, gostei muito do texto, e achei no seu blog, este currículo virtual muito dom bom. Espero que gostem.

"O pensamento pode voar, mas a mente gosta mesmo é de uma prisão.A mente gosta de prender-se voluntariamente a tudo o que não muda,ao que permanece, ao que se repete e ao que é sempre igual.Por isso, a mente adora lembranças e memórias.Porque o passado já passou e não pode ser mais mudado.O passado é permanente. A mente acha isso o máximo.É como administrar uma empresa onde nada pode dar errado.

O medo da mente é justamente este, administrar imprevistos.Outra coisa que a mente ama de paixão é o padrão, porque como o nomejá diz, o padrão não muda.Um metro, uma hora, o mesmo caminho para o trabalho, voltar ao mesmo restaurante e sentar à mesma mesa, são padrões que toda mente humanagosta de repetir.

Ah, que prazer que a mente sente quando a bunda senta na mesma cadeiraque sentou na aula anterior!A repetição dá segurança, porque cria a falsa ilusão de que nada vai mudar.E se nada mudar, nada de ruim poderá acontecer.Tudo será igual, com o mesmo final feliz, como antes.Crianças adoram ver filmes mil vezes porque se sentem seguras, porquepodem antecipar as próximas cenas (se na vida fosse assim...) e porquetêm certeza de como a história terminará.

Já as mentes adultas, especialmente as obsessivas em qualquer grau,adoram a matemática.A matemática é a única ciência exata e imutável.Enquanto a física e química, a biologia, por exemplo, estão sujeitas a variáveisda vida real, a matemática continua igual.Daí o fato de que toda mente obsessiva gosta de contar, manipular números.As contas são sempre exatas, não mudam.

E se você contar todos os passos e chegar direitinho à padaria com seusmil passos, então, podemos concluir que sua mãe não vai morrer e nadavai dar errado no seu dia.Certo? Errado.Errado porque a mente vive num mundo irreal.

Mundo da mente é como caspa, só existe na sua cabeça.Tudo é mera ilusão. E, com perdão do excesso de realidade fisiológica,o mundo está cagando e andando pras suas ilusões mentais.Como o mundo já provou, uma batida de asas de borboleta na África pode influenciar mais a ocorrência de um tsunami na Ásia do que sua contagemde azulejos no banheiro.Porque a borboleta é real e seu pensamento, não.

O problema é que a mente não quer nem saber disso e provavelmentemuitos já terão abandonado este texto nas primeiras linhas.

Espertos, porque sabem que vou contar um segredo sobre eles:a mente fabrica alças. Sim, alças, onde ela, a mente, possa se apegar.Uma alça, como aquele putaqueopariu do carro, onde a gente seguraa vida quando o motorista não é de confiança.Como o santoantonio dos jipes.A alça pode ser um nome, um amuleto, uma mania, uma repetição qualquer.A mente é chata, mas criativa, e assim, inventou a alça-sem-mala.Nesta alça ela se apega até a morte.

É uma crença, um dogma, uma frase feita, um chavão, um lugar-comum:"Angélica ficou mais bonita depois que teve filho"; "Vaso ruim nãoquebra"; "Jesus voltará"...

Qualquer alça é boa pra mente: "A cadeia é a universidade do crime", "Direituzumanu só tem bandidu"...

Se a mente se acha fraca, ela inventa uma alça para se sentir forte, tipo:"Sou feia, mas tô na moda".

A mente inventa que se a pessoa perder dez quilos vai ser feliz e tudo vaidar certo na vida. Troca nomenclaturas, pra se sentir por cima.Porque uma coisa é dizer que você tem TOC e outra coisa é assumir quevocê é um obsessivo chato, que ninguém agüenta conviver a seu lado epor isso você precisa de tratamento sério com remédio e tudo mais.

A mente inventa alças pra não cair em si.Mas cair em si é a única forma de tomar consciência - primeiro passopara melhorar.Portanto, remova todas as alças. Caia. Caia em si.Tá gordo? Tá gordo, então, vamos emagrecer.Tá infeliz? Sai dessa, viva a vida, aproveite.Tá duro? 'Bora ganhar dinheiro'.

Só não fique aí, com essa cara de passageiro do circular da eternidade,vendo a vida passar na fresta da janelinha de um puta ônibus cheio,segurando firme na alça do medo, pois você tem que dar o sinal e descer para a liberdade do imprevisível."
.
video

22 comentários:

umihoney disse...

Visiting you my friend.Good article and yes so true.We like our comfort zone and always fear the unknown.To conquer fear is something I'm always learning.Sometimes succesful sometimes not so :)..Take care my friend and thank you for sharing.

Pérola disse...

Bom dia minha linda.
Eu li o texto,a minha mente tá ligada rsrsr
É verdade as mudanças assustam e bastante.
Beijos.
Boa viagem e divirta-se

Manuel disse...

Dá que pensar mas é a pura realidade.
Quantas vezes, ao longo da minha já longa vida, dei por mim em situações idênticas.
Belíssima mensagem.
Esperamos eu regresso.

Leonardo B. disse...

[coloque na sua bagagem, até à volta]

um dez cem meus abraços, Walkyria

Leonardo B.

Sonia Schmorantz disse...

O texto é excelente, realista.
beijos, ótima semana

alice disse...

é mania humana pré formatar o pensamento, dar-lhe essas tais alças para que depois os nossos comportamentos os sigam em conformidade. penso que será uma defesa natural, uma protecção ou pelo menos a ilusão de uma defesa e protecção. mas é humano. gostei de ler. um beijinho e até dia 20.

✿ஜ✿ ANDRÉIA ✿ஜ✿ Sant'Anna disse...

Oieee..,
Estou retornando para a blogsfera... e claro, não poderia deixar de vir lhe visitar.
As mudanças assustam... e como assustam!!! Principalmente para uma taurina como eu... que não são chegados em muitas mudanças.
Adorei o texto.
Bjks e tenha uma ótima quarta.

Selena Sartorelo disse...

Olá Walkyria,

Bela surpresa encontro aqui, vim pelo nome da moça e constato que é a mesma com quem trabalhei há anos atrás, mas escrevendo melhor ainda que antes. Uma mulher inteligente e sensível, ligada no tempo que vive, percebendo as mudanças desse tempo. Que bom. Parabéns a você pela postagem e a ela pelo texto.

beijos,

Sandra disse...

Simplesmente maravilhso o texto..Tem coisa que é preciso ler e aprender..
Malas sem alças...
As alças d mente.
Vou conferir o blog.
Parabéns ela postagem..

Aproveito para fazer um convite.


Deixo um convite para vim dar uma olhadinha no blog do Chico..Confira quem esta lá.
http://olhardireito.blogspot.com/2010/02/3-poema-2fase-ideias-e-liberdades.html
Ficarei muito feliz com a sua presença.
Sandra

Sylvio de Alencar. disse...

Boa iniciativA tê-lo colocado aqui!
Verei o vídeo depois.
Vc é fera hein? Foi atrás!!!!
Bjocas.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.

Perfeita as colocações.
É verdade.
Nos prendemos a uma rotina que já não inspira.
A um emprego que nos aniquila.
A modismos que nada dizem.

Assim perdemos a vida e o seu brilho.

Que os sonhos te acompanhem sempre.

Mariana Klein disse...

exatamente isso... mas o difícil é o primeiro impulso que tira as mãos das alças e as joga pra cima. E o mais difícil é jogar as mãos pra cima com responsabilidade... eita coisa complicada de se achar a fórmula, e que bom que podemos lugar pra acha-la.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Umihoney
"We like our comfort zone and always fear the unknown"

great!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Pérola

Manuel

nós humanos, somos tão parecidos, afinal!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Leonardo
tive que levar uma mala maior, pra caber seus abraços e carinhos. Obrigada....vc é muito lindo!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Sonia
obrigada minha amiga azul, que me traz um vento lindo da ilha.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Alice
é super humano, é louvável, e precisamos de algumas defesas. Mas parece que nossa mente não consegeu fazer a diferença entre defesa e pavor, entre medo e coragem. Mas vc se expressa muito bem.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Selena
que jóia, que bom saber de alguém do passado e ver que ela está lá na frente.....
Obrigada pela visita!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Sandra
obrigada pelo entusiasmo, e sim, vou lá no blog do Chico.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

SYlvio
eu sempre vou atrás do que gosto!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Aluisio
que Deus te ouça, meu amigo!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Mariana
o mais difícil é que não tem manual. Ou ainda, o mais difícil é sabermos que não tem manual, mas vivemos como se tivesse.


voltar pro céu