.

.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Desfazer

..
Naquela noite, ela foi dormir mais cedo.
Se absteve até de rezar, pra não atrasar o sono.

Deitou-se delicadamente na cama e cobriu o rosto com o lençol macio,
deixando apenas os olhos para fora.

Olhos que brilharam no escuro do quarto.

Sorrindo, encoberta por lençol e escuridão, ela pensou,
que tinha que acordar bem cedo.

Amanhã seria um grande dia.

Tinha muitas coisas para desfazer.

foto - Daniel Suleiman
.

37 comentários:

FMF disse...

Na natureza, no universo e na nossa própria vida, parece que há um força superior que impele constantemente o acto de criar e o acto de destruir. Fazer-destruir e refazer. Não podemos saír deste ciclo de vida.

milu disse...

Nossa... escreveu pra mim. Estou vivendo isto hoje.
To voltando!!!!

betina moraes disse...

wal,

que foto bonita!


eu já fui dormir assim e o dia seguinte foi de renascimento.

teu conto poderia ser uma passagem da minha vida.

eu gosto do que você escreve e da sensação que me causa,

foto e conto se completam,

os dois estão muito bons.

um beijo.

LEON PLATA disse...

Deshacer una rutina, un nudo visceral, una traba del destino, una cadena de pasado...hay tantas cosas para deshacer...

Mientras tanto yo rehago mi mañana con tus bellas letras.

Un abrazo fuerte para vos

Barbara disse...

Colocadíssimamente imagem /texto.
Fora o nó que dá no estômago, de pensar o quanto isso dá trabalho - o desfazer.
Ai.

marinaCavalcante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
marinaCavalcante disse...

"...muitas coisas para desfazer."

Senti um peeeeso nessa frase!

E essas fotos na coluna ao lado,
lá encima, são suas? Muito legais.

Beeeeijooos e te aguardo em meus comentários!

Manuel disse...

Que belo pensamento coroado por uma imagem capaz de suavizar qualquer acordar.
Obrigado por estes momentos tão reais e tão românticos.
Adorei.

Pérola disse...

Boa tarde.
Eu ao contrário me levanto para fazer rsrsrs.
Beijokas.

Elaine Barnes disse...

Putz, é verdade. Desfazer dá duplo trabalho.Quando a gente faz as vezes não fica bom e ter que desfazer é frustrante. Adorei! Um montão de abraços e bjs

Manuel disse...

Cara amiga.
Eu julgo que grilos são os mesmos em qualquer lugar. Uns insectos pretos, com uma mancha dourada no dorso e, que nas noites de Verão fazem um barulho ensurdecedor, friccionando as asas e tentando atrair as fêmeas.
Tem umas caudas (três ou quatro), a que os rapazes chamam normalmente rabo.
Quanto à "estorreira" é natural que não conheça, pois é um termo popular oriundo do Baixo Alentejo.
Se usa para frisar que se está exposto directamente ao Sol.

Gerana Damulakis disse...

Veja o poder de uma só palavra. A personagem tinha muitas coisas para "desfazer". Pronto. Tudo tomou outra dimensão.
Muito bom. Parabéns pelo achado.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

FMF
e no entanto temos medo de mudar e receio de seguir. Vai entender!


ELAINE
Dá trabalho viver, nem me diga!

PÉROLA
há um tempo para tudo. Faça enquanto isso te for pedido.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Milu
minha querida Milu....
tinha que ser pra vc, tinha que ser. Agora que volta, sei que vai desfazer muita coisa, e que vida maravilhosa te aguarda. Vc tem as ferramentas. Mãos à obra!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

BETINA
Sei e pressinnto tuas passagens, teus recomeços, teus terremotos.

Mas, sobretudo tua força.

Obrigada por estar aqui!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Leon
que bom te ver aqui, me lendo, enquanto todo um mundo há pra se fazer e desfazer.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

BÁRBARA
dá trabalho sim, muito, porque ter o que fazer, é fácil, mas desfazer.....


MARINA
Sim, sim e sim, dá um nó, dá medo de largar, de mudar....mas esse é o único caminho.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

MANUEL
que bom que suavisei teu acordar. Em tempos de desfazer, melhor acordar com suavidade....

Quanto ao grilo, aqui chamamos de pernas aquilo que vcs chamam de rabos.
Quanto à "estorreira" é um termo muito bem aplicado...rsrsrs

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

GERANA
isso, isso mesmo! essa era a ideia, eu prrecisava de um cenário para isso, para falar desse momento da vida, onde nos desfazemos!
Obrigadíssima pela leitura.

Ursula disse...

Walkyria...

te dejo mis saludos cariñosos y te deseo un feliz San Valentín!!!
Feliz día del amor y la amistad!!!

hermosos días!!

beso!!!

Mundo Mundaca disse...

As vezes é preciso desfazer para tornar a fazer ..melhor, maior,e por que não feliz por ter a oportunidade de fazer de novo e novo!
março sera meu mes de desfazer e voltar a fazer ai..alem do mar.
Beijinhos minha doce Wal!
yasmin

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Ursula, aqui no Brasil é carnaval, o dia dos enamorados é em junho. Mas aceito suas boas vibrações com carinho.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Uasmin minha flor. Há um tempo para fazer, e outro para desfazer, desapegar, jogar fora...passar, seguir.
E vc vai voltar?
Uau, queria saber mais.

ALİ EKBER ÇELİK disse...

boa noite

belo poema

Blog do Mensageiro disse...

Desfazer também é reconstruir, assim que, de uma maneira ou de outra, o processo de criação continua acesso. Bom Feriado, Wal!

angela disse...

Fazer, desfazer. Quem sabe quando é um ou outro?
Tudo depende do angulo que se olha.
beijos

sarbu victor valentin disse...

:)

Sylvio de Alencar. disse...

Desfazer é tão bom quanto fazer.

Boa viagem. Aproveite!
Estamos aqui, sempre.

Bjs.

betina moraes disse...

bonitona,


D
I
V
IR
T
A
SE
!


um beijo!

Caricia. disse...

Hola bella.
Me ha tocado traducir tu página, para poder entender, pues no sé tu idioma. Es muy hermoso tu blogs. Ya te enlacé, así que andaré por acá de visita.

Un beso, bella

Se7e/5 disse...

Aqui o se7e/5 vai oferecer-lhe um comentário útil e não essa merdice de favor que essa gentinha espalha por aí. Será que você merece? É uma dúvida fodida, mas, aqui o se7e/5 vai mudar seu pensamento, vai ativar seu cérebro. Se não sentir qualquer mudança, é porque seus últimos neurônios já eram.
Muito lindinho, mas inconsequente. Sem aquela profundidade útil. Apenas mais do mesmo. Aqui o se7e/5, vai mais longe, pretende espicaçar vossos neurônios preguiçosos. Aqui o se7e/5, vai mais longe, pretende espicaçar vossos neurônios preguiçosos. Abrir vossa fé de alto abaixo. Obrigar-vos a revelar o que de muito útil existe em você, caro lindão. A lindona também não é de deitar fora; muito lindinha mesmo. Bem, mas vamos ao que interessa:

“A cultura é uma merda cansativa. Ter de saber tudo ou, pelo menos, mais do que os outros, não deixar cair a “pena”, manter a noção do texto corrigido antes de o escrever. Estar permanente sóbrio num estado de embriaguez, quando apetece vomitar sobre os intelectuais de novela da hora nobre. E em nós também. Por que não suportar propostas políticas aliciantes, intelectuais e corrupção?
Ao serviço do poder, do partido, dos lados ou das cores; qualquer desculpa serve o propósito. E a cultura é apátrida! E conservar a imagem de personalidade do ano, como tias “estafermadas” sem corpo, sem neurônios, sem vergonha na plástica e a cultura que se foda! Estes intelectuais transpiram diferença e indiferença, inspiram o oxigênio do euros, dólares e reais e a expiração tem o curto prazo de um governo eleito. Sem tempo para respirar, porque a cultura é asfixiante , porque ler um livro não basta, nem milhões de livros garantem uma cultura de se lhe tirar o chapéu. Uma chapelada. Não há tempo para respirar cultura! Apenas se aguarda uma cajadada no lombo porque o pastor se aproxima para escolher uma ovelha ranhosa para o sacrifício. As ovelhas ranhosas são perigosas, tal como as ovelhas brancas em rebanhos de ovelhas negras. As negras também se abatem mas, antes da prática carniceira, são discriminadas.
Não há ovelhas negras em governos Brasileiros. Talvez haja. Jogados a um canto escuro a coberto da noite, onde permanecem até a aparição servir uma conveniência branca. Tal como qualquer outro rebanho. Tal como as tias e descrentes que se movem em espaços virtuais, pastando como ovelhas negras, frequentando círculos próprios onde se isolam em divagações de alta sociedade, cuspindo disparates que os fazem dormir mal e acordar pior.
A cultura do sec.XXI é uma mescla de economia global, política dominante e apropriação intelectual ao serviço da proliferação da miséria e sofrimento, como factores de revitalização permanente dos esgotamentos evolutivos periódicos. Correr sem sair do lugar. O conhecimento corrompido, a cultura de almanaque, jornal desportivo e leitura alcoviteira do jet-set, remete para o conhecimento desenraizado do progresso democrático sob a égide de um Estado de Direito, mas sem qualquer ética como regra.
O fantoche intelectual é uma realidade que descansa na palma da mão e se equilibra no dedo acusador dos oportunistas sem escrúpulos, os poderosos, com objectivos de domínio global. A força dos dedos médios em riste, firmes. São estes fantoches que anestesiam e embalam as massas, mantendo-as desfocadas da realidade. Quando a dor se revela, esses intelectuais “blogosferam-se”; fogem para a lixeira inconsequente dos desabafos indignos.”

Isto é a BLOGOSFERA, na qual todos vós chafurdais, como porcos num chiqueiro. Se aqui o se7e/5 estiver errado, provem!

Sandra disse...

Lindo e belo texto.. As vezes fizemos realmente isso..
Tudo faz parte da vida.
Agradeço o seu carinho..
Bom descanço, Feliz férias.
Bom final de semana.
Quando voltar tem selinho para vc.
Sandra

Gisele Freire disse...

Walzinha do meu coração!
Dorei teu conto, tá lindo!
sds de vc :)

"haikadista" rsrsrsrs, só tu Wal, ri tanto que cheguei a chorar rsrsrs...
bjs e fico muito feliz de ter vc por perto!

Gi

Norberto Marques disse...

Oi wall :)

Espero que esteja tudo bem. deixo votos de um óptimo carnaval, um feliz dia de S. Valentim e um bom domingo.

Beijo

Norberto

umihoney disse...

So sorry I couldn't visit you sooner.I was so busy.I love the pic and the article.Thank you my friend

ju rigoni disse...

Uia!

Ando precisando desfazer tanta coisa, Wal...

Eu e esta minha maldita e preguiçosa mania de deixar tudo para depois...

Seria preciso pelo menos uns dez amanhãs. rsrs

Amei!

la buhardilla disse...

Amanhecendo e deixar espaços para o silêncio e apenas acidentalmente adormecer de cansaço ...
escrito muakkkk cute
Chely


voltar pro céu