.

.

sábado, 17 de abril de 2010

O mundo bizarro de José Serra

.
Copiado do blog do Fernando Fortes

"Muito ainda se falará dessa foto de Clayton de Souza, da Agência Estado, por tudo que ela significa e dignifica, apesar do imenso paradoxo que encerra.

A insolvência moral da política paulista gerou esse instantâneo estupendo, repleto de um simbolismo extremamente caro à natureza humana, cheio de amor e dor. Este professor que carrega o PM ferido é um quadro da arte absurda em que se transformou um governo sustentado artificialmente pela mídia e por coronéis do capital. É um mural multifacetado de significados, tudo resumido numa imagem inesquecível eternizada por um fotojornalista num momento solitário de glória.

Ao desprezar o movimento grevista dos professores, ao debochar dos movimentos sociais e autorizar sua polícia a descer o cacete no corpo docente, José Serra conseguiu produzir, ao mesmo tempo, uma obra prima fotográfica, uma elegia à solidariedade humana e uma peça de campanha para Dilma Rousseff.

Inesquecível, Serra, inesquecível. "
.

12 comentários:

Sylvio de Alencar. disse...

Em gente assim que teremos que votar?
Poucas escolhas...
Só tenho uma, é pouco...

angela disse...

Nem me fale em insolvência moral...ahei aqui a palavra que procurava para definir o que tem acontecido com esse pais.
Bonito ver quando a solidariedade ultrapassa as diferenças. Grande alma a desse professor, restaura a esperança

Carol Morais disse...

Essa imagem para mim reflete o fenômeno dito como "uncanny", termo em inglês utilizado na Literatura para designar imagens ou situações que são bizarras, que causam um estranhamento, mas ao mesmo tempo torna-se familiar por ser além do esperado.

é, minha querida amiga. Essa situação e essa imagem são "uncanny" para mim. É interessante como alguns governantes planejam e se satisfazem em brincar de ser "deus" conosco. Um professor carregando um policial. Nossas funções na sociedade tornam-se falhas, frágeis, e voltamos ao primitivismo. Não importa mais quem somos pelo que fazemos, importa o fato de sermos seres humanos e que precisamos utilizar nossos institntos, como no caso, o de proteção à raça, para se colocar na sociedade.

É triste ver que a organização social está desorganizada por falta, por carência de líderes que vistam a camisa, a nossa camisa, ou a falta de camisa de pobres e necessitados.

Linda imagem, triste situação.
É o homem bom, lutando contra o corrompido que teima em o governar.

Beijos e ótimo sábado!

CIMPOACA LAURENTIU disse...

good catch

Tânia regina Contreiras disse...

Bom, faltou dizer que o professor da foto é também um policial, conforme se constatou depois, que estava à paisana e que teria se infiltrado entre os professores.

abraços

Jéssica Brandão disse...

Belissimo post...eh isso aí o povo rasileiro tem que prestar mais atenção em quem vota....e como o Sylvio Alencar ali de cima disse...poucas escolhas...

tania disse...

A foto diz tudo, né?

Lau Baptista disse...

A Foto é uma aula de humanidade, mas seu texto e reconhecimento é outra aula de beleza.
Parabéns!

Ludmila Ferreira disse...

Acho que nao preciso dizer mais nada!

Com poucas e belas palavras voce disse o que acontece por muitas vezes e fica encoberto, assim como escancarou a realidade para aquelas que precisam de olhos emprestados para enxergar melhor!

O nosso destino é a destruição, não estou sendo pessimista ou algo do genero, mais se observarmos a cada dia que a tecnologia aumenta nós deixamos de viver um pouco mais, pois o homem é fantastico em criar armas para sua propria destruição......


Parabéns....

Anônimo disse...

Se ele não estivesse no colo estaria batendo...

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Gentefina da minha vida

compartilhei esse momento da nossa história com vcs e me dei bem. Cada comentário foi uma nova revelação, um modo de ver e sentir. AH, em vcs eu vejo o futuro e o presente.

Deixa dizer que ele não era um policial à paisana. Foi comprovado depois, que isso era intriga pra desprezar o ato do rapaz e maldizer os professores.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Carol
minha fofa, que aula! Vc sempre me dá mais do que recebe.


voltar pro céu