.

.

sábado, 6 de agosto de 2011

Sem emendas

.
Gentefina, eu ia escrever um lance, e percebi que já havia escrito aquilo....fui lá e tinha mesmo, não igualzinho, mas parecidinho. Entonces, reedito com algumas mudanças de percusrso.

Não sou uma pessoa normal, no bom sentido, sou uma diferente. Isso seria bom, se no escopo de ser alguém anormal (no bom sentido), não fosse eu também alguém anormal, no mau sentido.

Sou atrapalhada, obsessiva, emburrada, cismada. Não chego a ouvir vozes, mas pensando bem, nem saberia dizer se as ouço, porque dentro da minha cabeça rola tanta letra, tanto chamado e grito, que nem sei quem mora em mim. Estou ausente de mim, mas estou dentro da minha cabeça. Não sei onde estou, não saberia dizer. Se minha mente me domina, tenho uma alma solta, que vagueia sem dono pelos mares do universo. Fiz de tudo: toquei chocalho, rezei, fiz meditação, rezada, sentada, deitada, mantrada e o escambau….mas minha alma não voltou.

Estou amarrada em mim ao mesmo tempo que não me habito. Tudo isso não seria dito se não me sentisse culpada de ter um blog, de ter seguidores, e de estar assim, tão ausente, como se não desde a mínima. Deus, eu dou as máximas de ter gente me lendo, me ouvindo, porque mesmo sendo gente que nem sei quem é, elas têm o poder de me confortar. Então acho que é verdade que a gente escreve pra se sentir acompanhado….

Mas não era nada disso. Queria dizer que tenho tantas palavras, tantas frases, que nem sei por onde começar, nem sei se começo.

As palavras em português são muito fortes, dão rasteiras no pensador mais anormal. Em inglês, gift é presente, e presente de tempo, é present. Em português, presente, ganhar algo inesperado e único, é igual ao tempo presente. Outra….em inglês, sense, é senso, sentido. E sentir é feeling. Em português, sentir é sentir mesmo, mas ter senso, é fazer sentido. Poxa, não posso sentir o que não tem sentido…. Ave que minha cabeça vai assim, nessas palavras agarradas a sentimentos, desfilando na minha mente o dia todo.

Não sei mais o que é sonho, ou vida sonhada, vivida. Misturo os acontecimentos. Será que sonhei com isso, ou aconteceu? Minha biografia noturna se confunde com minha biografia diurna, soturna……

Não sei, não sei mesmo onde estou indo, onde chegarei, porque estou sendo levada. Pois é, estar sendo levada é estar sendo marota, desobediente…. ai meu Jesus…. quantas palavras significativas. Dava pra ser mais estadão?
Minha avó diria: menina, você tem que se emendar...
Pelamordedeus que passei a vida me emendando e deu nisso (outra palavra) sou uma emenda só, uma constituinte cheia de rabiscos, uma coisa pelo avesso, com nós, pedaços soltos, linhas partidas.... linhas interrompidas. E então a Gal Costa começa a cantar O Linho e a Linha bem agora, tinha que ser bem agora. E eu choro até não poder mais, e me sinto inteira, com alma, corpo e mente...será que terei que ficar chorando pra me sentir inteira? Essa emenda ambulante pode ficar inteira? Será essa a condição que a gente nem supõe que seja a necessária e suficiente? Divagando devagar..... devagar. Devagar uma ova, à velocidade da luz, que parece ser a única velocidade que conheço.

Me sinto alguém que se desculpa com todos, por não ser mais isso ou aquilo, enquanto secretamente quero distância, quero ser quem eu sou, ou melhor, quero poder saber quem sou. Mas são tantas culpas, tanto requisito, quesito, ai, não vou passar nesse concurso. É bilhete corrido. Nunca serei capaz de viver uma vida assim, normal, feliz, despreocupada. São muitas as palavras, muitas as imagens, e eu vejo tudo ao mesmo tempo....embora pareça que estou viajando em algum sonho, com cara de paisagem, tranquila e serena. Tudo mentira. Ou melhor, tudo imagem refletida na cara de quem quer ver o quer ver de mim. Sinceramente, nem eu me vejo, e quero me aventurar a achar o que os outros veem de mim.

Não sei, e aqui devia ter um ponto final, porque não vou dizer mais nada que não tenha já sido dito por mim, por outros, ai, por tanta gente nesse planeta. Talvez em outros também.

Hoje.... hoje eu tinha o firme propósito (dá vontade de rir) de responder aos comentários do blog, responder e.mail das minha amigas queridas.... e no entanto agora, de noite já, estou instalando atualizações no meu micro novo, que nem se justifica, porque não tenho mais tanto trabalho assim. Quando tinha, não podia comprá-lo.

Será tudo mesmo tão desconexo? Será essa a graça da coisa? Alguém poderia me fazer cócegas pra eu dar umas risadas, porque não tô vendo a menor graça?

A gente tem que achar a vida uma graça.
E eu não tenho achado isso, tenho perdido a graça.

Bem, resumindo, acho que queria era dizer isso pra vocês. Ando meio sem graça.

Pena que não acredito mais em nada que mude a nossa vida, tipo religião, seita, trabalho, dinheiro, novo romance, nada disso. Senão me ligava numa dessas tomadas e dava logo um update, mudava o papel de parede da minha mente, minha tela de descanso e o caralho a quatro. Mas não acredito, não consigo, não funciona pra mim.

Só eu posso mudar a minha vida.

E aqui retornamos ao ponto de partida. 
Onde é mesmo que eu estou? 
Qual o meu presente? 
O que faz sentido? 
 .
fotos - Walkyria Suleiman

46 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

Wal, tudo e tudo o que dizes aqui faz sentido... Nossa, chorar nos faz inteiros mesmo às vezes, sabia, sei lá por quê, mas é assim.

Esse negócio de nada e nehuma coisa nos salva, nós é que nos salvamos a nós mesmos, também, enfim, cheguei a essa convicção, ainda bem, que a gente ganha tempo.

Bom te ler, bjos

Mai disse...

Wal,

o r i g i n a l,
a u t ê n t i c a,
SENSÍVEL.

A contar pela velocidade do texto eu junto-me a ti porque (não sei o que é ser normal) compreendo bem o que é esse turbilhão de pensamentos e palavras em profusão.

Que bom que você é assim; (certamente) por isto estou por aqui.

um abraço imenso e minha admiração.

betina moraes disse...

wal...


as fotos estão muito bem colocadas, parabéns por elas. o fato de serrem luzes sem foco, encaixa-se ao texto perfeitamente já que suas palavras tratam, no fim de tudo, de uma procura por foco.

há a luz, mas ela parece não se definir, é o que diz o texto, entrelinhas!

mas..... eu acrescento: há a luz e é apenas o que importa de verdade para qualquer situação de nossas vidas!

seus questionamentos aqui são dignos das melhores rodas filosóficas!

bem escrito e bem descrito o seu texto supera a biografia e se presta a nós como espelho!

um beijo, no fundo do seu coração!

PV: fosili

tradução: ordem para fuzilar, em pvenês!

sam rock disse...

Walkyria su introspección la lleva a desnudarse dolorosamente como si se quitase la piel en ese sincero proceso.

Un fuerte abrazo

COISAS DE LUCI disse...

Amei o que vc escreve.ès uma pessoa inteligente...sabe o que fala.Posso colocar no blog ?Com seu endereço é claro.Fique com Deus

CAIS DO ORIENTE disse...

TEXTO MARAVILHOSO!!!
AMEI!!
VC É SUPER!!!
BJS GRANDES!
NÁDIA

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Tania
achei renovadora a ideia que ganhamos tempo em descobrirmos que apenas nós nos salvamos. Foi bom ter esse carinho teu, e tão afiado.
TSua presença é muito querida pra mim.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Mai

a velocidade é nada pra vc que traduz tantos sentimentos em teus escritos. Junto de vc, posso sentir e querer e parar um pouco na tua compreensão.
Obrigada por isso e por estar aqui, a meu lado.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Betina
ordem para fuzilar.... boa e cortante, assim como me sinto.

As fotos...vc é mesmo uma querida. Lá na viagem, cansei de fotos, cansei do real, comecei a tirar tudo desfocado, em busca da essência das coisas. Fiz muitas assim, ia juntar tudo e dar o nome de luzes. Agora, com tua visão, nem sei mais. Quando tiver pique farei isso e pensarei num novo nome. Quem sabe flocos de luzes. Não sei.

BB, é verdade que importa ter a luz, é uma medida para achar-se o foco. Mas quando irmã..... quando....

Mas enfim, vc sempre me balança.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Roque

você adivinha meu estado, assim, me desnudando, arrancando as cascas, as peles, procurando dentro de mim algo em que eu possa me firmar.

obrigada, amigo querido, obrigada meu lobo solitário, que habita meu coração.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Luci
fui no teu blog e entendi pq vc gostou tanto do texto. Vc parece ter essa doença da cabeça desenfreada, como eu. Que bom estar acompanhada....

E Pode sim querida, pode tudo aqui. Só não vale sumir.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Nadia
puxa vida, a gente podia viajar juntas, depois de ter lido teu blog, me deu essa vontade.
Obrigada pela visita, pelo encontro e pela alegria, caçadora de beijos...

Manuel disse...

Desconcertante nos seus pensamentos, mas certa nas suas conclusões.
Só não acredito que uma princesa seja tudo isso que diz.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Manuel, meu rei
quem dera eu fosse metade do que pensas de mim. Sou humana, só por isso, tão fadada ao engano.
Que bom te ver aqui!

Let's disse...

Aff ate parece eu..mto mas explicada é claro...então é isso continuar vivendo e procurando algo que nos faça ir para frente de novo!abraço...

Mai disse...

E estarei, Wal.

As vezes as circunstâncias da vida nos limitam um pouco. Mas logo nos restabelecemos e estamos aí, por que afinal - "viver é eticétera".


um imenso abraço,

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Let's, te respondi lá no teu blog. Sabe, a gente é tão parecido e a gente é todo mundo. Eitch racinha doente....

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Mai
eu sei, é verdade... as abelhas que transtornam nossas vidas. Mas saiba, que adoro tua presença. E agradeço muito. Te acho muito especial, cheia de alma, de ginga, de boça. E olha, adorei a nova foto.

Pablo Rocha disse...

Viver é esse ciclo estranho mesmo. Sensível e reflexivo. Gostei muito do seu blog.

Beijos!

Wanderson Duke Ramalho disse...

Obrigado pelo carinho dedicado às minhas crônicas. Como sempre,mais um dos teus textos provocando uma reflexão íntima. Gosto daqui. Sinto-me em casa.

Lau Baptista disse...

Menina, você é demais!
É isso mesmo que você disse, sem por nem tirar, não tem graça, não tem saida, viver é isso.
A grande vantagem sua, é que tudo vem a tona e você consegue poetizar, brincar, ter seguidores, se mostrar e fazer todo mundo refletir.
Eu acredito que nossos dias sobre a face da terra são exatamente aquilo que fazemos deles. Nem um pouquinho a mais e nem um pouquinho a menos.
E você, com toda essa sua urgência, revenrenciada por essa "diferente" que você fala tão bem, faz com que os dias sejam um eterno começo, repleto de seres humanos, pessoas que você atrai e revela para todos que te conhecem ao vivo e a cores e só virtualmente.
Parabéns!
Beijos do Lau

ROBERTO disse...

Sem graça!? Sem graça fico eu, me metendo a besta de comentar qualquer coisa depois dessas tripas todas expostas aí... Genial!

Encaixe perfeito das fotos com o texto (2).

No mais... acho que é bem por aí... ou por lá. Quanto mais a gente procura, mais acha e menos descobre. Ô angústia!

Bjs, e bem-vinda de volta!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Pablo
que ciclo esse, tão repetitivo, sei lá, parece que temos muitos defeitos de fábrica, mas não admitimos...
Obrigada por vir passear no céu.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Duke,
sua crônicas s
ào muito boas, pungentes, arrebatadoras. Sinta-se em casa mesmo, por favor!

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Ah Lau
pessoas que me conhecem ao vivo e a cores....virtualemnte. O pior é que é verdade. As respostas de vcs são mais íntimas do que as das pessoas que me conhecem relamente. ou acham que conhecem.

Lau... mesmo muito pra baixo, eu ainda faço piada, nem sei se é bom isso, na verdade.

Mas sei que bom, é ter vc comigo. Ah, isso eu sei.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Roberto, seu peste

se livrou de uma. Eu ia no teu blog te destratar pela ausência. Pensa que só pq viajei vc não precisava vir aqui?

Ah, saudade de vc. Quanto mais a gente procura mais acha e menos resolve. Eitcha vida besta, sÔ!

b disse...

"O que esse punhal tem de arma são as asas da imaginação.."
Continue
Descontinue
Inspire
Expire
e tais são os movimentos - fora o galope, of course.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Barbara...
ao te ler, sempre aflora um sorriso.

Vejo como vc é sábia, que mesmo que mande palavras duras, duras realidades, vai no final me dar a pérola....te adoro demais

Sylvio de Alencar. disse...

Imagine nós, do lado de cá, querendo responder a uma pergunta que nem é uma pergunta, mas, uma declaração.
Imagine nós, do lado de cá, com respostas que não cabem por serem tão vazias se forem colocadas lado a lado com nossas vivências presentes.
Assim me sinto.
Tenho algumas respostas, mas podem soar a lição, a teoria...; não é isso o que quer.

Se minha mente me domina, tenho uma alma solta, que vagueia sem dono pelos mares do universo

Acho sim que vc deixa que sua mente lhe 'domine', vc a deixa solta demais para uma ferramenta que deveria estar a serviço de sua alma. Alma? Que qué isso?
Básicamente é essa luz que aparece nas fotos Kirlian.
Vc acha que ela está por aí 'solta pelos mares do universo"? Eu acho que não; acho que ela está onde sempre esteve: mantendo-a de pé. Por ela (e através dela), vc está a sentir todo este desconforto; meio como uma dor de dente. Ao 'afastá-la' de si, ignorando seu som, afastamos de nós uma possível compreensão do que é real, do que realmente nos satisfaz. Compreender o universo não é 'pensar' nele, mas 'estar' nele. Ser e estar, estar e ser; só com sua alma presente isso é possível. Mente é igual a emoção, vc manda nelas, tem ascendência sobre elas. Já, quanto ao sentimento, não. isso por ser o sentimento, a linguagem da alma; portanto, de Deus.

Essa é minha teoria. Se fosse um cara iluminado, minhas palavras teriam o peso da Verdade. Mas, mesmo não sendo, acho que têm as minhas palavras um certo sentido, uma certa verdade. Compartilhar isso me faz melhor, mesmo que talvez não seja a resposta ao que procura.

Carinhoso abraço para vc, minha amorosa amiga.

Sylvio de Alencar. disse...

Por outro lado, uma pessoa com o poder de sintetizar, de colocar seus pensamentos de forma coerente sobre um assunto tão..., espinhoso; é por que deve ter uma inteligência acima da média; isto é: tem uma parte se si bem atenta, consciente, que a leva a ter uma vida rica, mais movimentada que o comum dos mortais.

Assim que, bendigamos nossa maneira de ser!, embora essa maneira possa nos causar alguns 'probleminhas'!

Tania regina Contreiras disse...

Eu ia responder pra você, m,as descobri que já havia respondido...rs Li-me e fiquei pensando em como a resposta seria parecida também agora. Acrescentaria, talvez, que a complexidade vai fechando as postas de saída. Parece que o negócio é recuperar a simplicidade. Chorar é uma saída simples da qual muitas vezes nos perdemos. Chorar é não precisar traduzir tudo em palavras. E nem precisamos. A gente chora, pode chorar, não precisamos perguntar por que e nem explicar por quê. Enfim... chorar é uma desses caminhos simples dos quais nos perdemos muitas vezes.
Bjos, Wal.

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Tania...
pra vc ver como vc é consistente... eu havia lido seu coment antes de postar, e gostei muito. Mas este aqui é campeão.

Tenho sentido mesmo que tem um vício de pensamento que complica, que quer ser complexo. Temos que retornar à simplicidade. Temos nada, eu tenho pq vc te essa simplicidade, essa profundidade do simples.
Obrigada amiga querida.

CEM PALAVRAS disse...

Wal,
Eu ia fazer um comentário, mas preferi assistir a um filme bem triste para eu poder chorar e chorar muito, sem nem saber porque.
Tudo o que vc escreveu do início ao fim faz todo o sentido para mim.
Deixa eu ver meu filme, vou lavar a minha alma com lágrimas
beijos

armalu,blogspot.com disse...

Porque será que me revi no seu texto? Mais parecia a minha foto. Ainda bem que não sou só eu. Bj amiga

Adriano César Curado disse...

No fundo, estamos à procura de nós mesmos, o tempo todo, e essa busca é eterna, pois precisamos dela para continuar a vida. Linda postagem. Meus parabéns.

Sylvio de Alencar. disse...

Ó xente!
Complicada situação! Mais, ou menos intensamente, é o que toooodos sentimos...
Acho isso muito engraçado: tooodos sentirmos as mesmas coisas em momentos diferentes, ou, em momentos iguais mesmo. Muito louco isso.
Sei lá se hoje tou mais light por ter passado por muitos momentos desse; pode ser..., não sei.
O que sei é que se mexer em algumas coisas (minhas e não minhas), as coisas podem azedar; então vou pelo mais simples de entender, e de sentir. Simples, é uma maneira de dizer.

Rico texto! (Que em español tem conotação diferente do português. Enquadro suas palavras nos dois significados.)

Abraços.

Sylvio de Alencar. disse...

Caramba! Agora que percebi que comentei duas vezes!!!!!

placco araujo disse...

Estou amarrada em mim ao mesmo tempo que não me habito...

me senti assistindo a um filme em preto e branco, com a reedição não só do texto como dos comentários..

deve ser assustados nos vermos revivendo as mesmas indagaçoes, não?

como dizia Roberto, estou com saudade de NOSSAS TARDES DE DOMINGO...

um beijo...

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Cem Palavras

A Tania tem razão, às vezes chorar lava a alma sem necessidade da mente mapear a dor.....
obrigada por estar aqui!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Armalu

fico mais acompanhada ao saber que tem gente que compartilha copmigo toda essa coisa esquisita que é viver.
Obrigada!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Adriano
poxa, mas dava pra ser mais estadão? Fico tão confusa......

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Sylvius...

que rico, só vc, veja, muda as coisas na minha cabeça. Todos sentimos, de um jeito ou de outro. Mas penso que o caminho da simplicidade é o que traz mais felicidade. Pore'm ele é difícil.... a gente pensa muito, equaciona muito...

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Sylvius...
vc é duplo...... ahhahaha

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Placco
é assustador sim, porque nos coloca iguais num mundo de desiguais, é meio bizarro, num certo sentido. Saudades das tardes de domingo....gostei, senti nostalgia.

Sylvio de Alencar. disse...

Vou postar algo que (também), é para vc. Vai lá dar uma olhadinha, minha cineástica Rapunzel!

Sylvio de Alencar. disse...

Ainda não postei Wall!!, sua apressada!
O seu é outro, tem a ver com esse assunto aqui.
Porquita no, pero espiñuda..., creo que si (um poquito).
:P


voltar pro céu