.

.

sábado, 26 de março de 2011

Adoro minhas tatuagens!


Quando, literalmente fiz minha primeira tatuagem, fiz nos tornozelos porque era proibido se tatuar antes dos 18 anos. Fiz com Nanquim e compasso. Ficava escondidinha na meia 3/4 escolar que eu usava. Aos 18 anos fiz um Yang Yin na mão, discreto, mas bonito, inspirado no livro "Os Jogadores de Zan", Editora Europa. 

Depois, aos 26 anos, fiz um pégasus unicorniano. Sei que, de madrugada, acordava apavorada. Ia correndo olhar no espelho, ver se meu cavalinho estava lá ainda. Eu pensava, e ainda penso, que minha estrela, meu signozinho, meu cavalinho e o tao, nunca me abandonariam nesta vida. E sabe gentefina, eles estão firmes na minha pele. Carne da minha carne. Sei que tenho algo que nunca vai me abandonar! e isso conta muito, para mim.

Há alguns anos, lá no Guarujá, minha mãe na cadeira de rodas, fomos a um tatuador. Ele amou minha mãe, e refez a tatuagem do cavalinho, sem cobrar, porque ele reconheceu o traço do tatuador, muito antigo, pra não dizer velho, o Fred. Ele fotografou, delirou, era como ver um Rafael da tatoo.

Mas vai dai que, fiz uma nova tatuagem que ele ficou impressionado e feliz da vida de ser o grande criador do lance: duas asinhas nos pés. Ele desenhou e pintou e eu fiquei assim, leve, viajante, itinerante e conversadeira como Mercúrio. Cuidado gentefina com aquilo que vocês tatuam em suas peles.

Mas enfim, a Catharina, durante as fimagens do filme Velar, tirou uma foto do meu dom de voar.
Tá aí......

4 comentários:

betina moraes disse...

pela primeira vez em minha vida desejei ter uma tatuagem...

e logo eu que sempre fui contra marcar o meu corpo,


mas ao ler das tuas marcas e a história de cada uma, houve um grande efeito em mim... como se eu nunca tivesse compreendido realmente a potência simbólica de uma tatuagem.

só você mesma para me trazer tanto.

um beijo.

sam rock disse...

Ahora vuelvo a volar. Tengo unas alas blancas
con que abrazar el aire, romper el horizonte,
llegar hasta ciudades lejanas como sueños
y enseñarles a todos que es posible la vida.

Hilario Camacho

Un abrazo

milu disse...

Adorei atatuagem..será q vou ve-las ao vivo e a cores? To chegando...ja falei...amanhã estou ai...\bj.

Carol Morais disse...

Tenho muita vontade de fazer uma tatoo, Wal. E ainda vou fazer!!


voltar pro céu