.

.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Gastura na alma

.
Sei não, sei não....
quando entro na turma,
quando fico sócia do clube,
ou quando me sinto da panela,
me dá uma coisa,
um anseio de ser livre,
de não precisar seguir as regras pra ser querida,
chamada,
convidada...
me dá uma gastura na alma,
que sei lá,
tenho que dar porrada,
quebrar tudo,
ir embora gritando,
pra nunca,
nunca mais correr o risco de voltar,
de cair de novo no conto da necessidade social do ser humano,
quero ser bicho,
quero ser predador noturno,
quero silêncio e solidão,
quero poder ser eu mesma,
sem medir consequências,
sem medo de ferir,
de ser ferida,
quero ser bicho,
ou santa,
ou anjo caído
dá no mesmo.
.

31 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

Wal, nenhuma conquista vale mais do que aquela que nos torna nós mesmos, do jeitinho que somos, sem tirar nem por, e que se danem os que não gostem.

\beijo,

Ma Ferreira disse...

Wal..Muito lindo seu poema rebelde.
Temos que assumir o que somos. Se não agradamos, o problema já não é nosso. É de quem se incomoda.

Um bj...

Ma Ferreira

angela disse...

Sofro desse mal que bem lá no fundo acho um bem...rs
beijo

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Tania
nada mesmo, nada mesmo tem esse sabor, ser minha mestra e discípula..... quando esse dia?

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Ma
o lance é que nesse baile de máscaras, nem sei mais qual era a minha......
nem sei se vim de máscar, ou se in ha car, ela mesma já é máscara grudada.
Obrigada por vir me cosolar....

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Angela
ai, esse colo me deu tanto calor.....

Alexandre Pereira Cruce disse...

Para Rennóbeldias, espelho rennóluminescente vertimagem
Serpenteando o trimegisto caduceu:
Carlos lira e Wal kyrie, por mais plano o espaço suleiman.

Angel disse...

Que saudades tinha de passar no teu Céu...

um anjo

✿ chica disse...

Há dias que nos sentimos assim.Lindo! um beijo,tudo de bom,chica

Parole disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Parole disse...

Gostei muito daqui, seu blog é lindo.Depois volto para ler com mais calma.

Beijos e obrigada pela visita em meu blog.

Lua Nova disse...

Somos essencialmente livres e nossa alma não se esquece disso.
Adorei o texto e me fez lembrar o quanto é bom ser desgarrado, ter caminhos inexplorados pela frente, nenhum tido de amarra nos segurando e absolutamente nada dividindo nosso desejo.
Saudades de vc.
Beijokas.

Alexandre Pereira Cruce disse...

Por isso citei o caduceu trimegisto no poema aos Rennó e a vocês, filhas de Mnemósine. É difícil ser vários, mas graças justamente a vocês e a Hermes todos conseguimos (sem nos perder, considerando os paradoxos e estranhezas) e ainda com beleza e sensibilidade.

Beijos

Patrícia Gonçalves disse...

Tinha acabado de dizer que gostava da palavra gastura, como era bonita, daí saiu uma discussão sobre o significado da palavra e fui procurá-la, entre os primeiros links do google tava o seu.

Gostei do poema e senti inveja, por anos minha vontade era justamente ser da panela, justamente por não ser, por ser bicho, já que santa nunca fui.
beijos

placco araujo disse...

gentefina...eu tive uma lembrança daquela musica da Dalva de Oliveira (que a Vanusa regravou creio, quando ainda se lembrava das letras)que falava de uma carta recebida e que na dúvida se seria de alegria ou tristeza, ela simplesmente rasgava a tal carta, sem nunca saber o conteudo da mesma.. esta sua gastura (aliás há muitos anos näo ouvia tal tërmo)me passou esta mesma sensaçao, pois o mëdo de adequar-se/ser aceita/perder a liberdade, me parece uma fuga até do poder gostar da coisa, mas... na dúvida....corra Lola, corra...

placco araujo disse...

Correçao... era Izaurinha Garcia..

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

É esta liberdade
que muitos abrem mão,
o melhor
e o maior
sentido da vida.

Vida plena em teus dias.

b disse...

O COMENTÁRIO É:

és SANA.

E identifico-me totalmente com o que escrevestes donde se conclue que:

sou também sana.
tão contente que canto :
a e i o u w na cartilha da vovó!

Ai! como suportamos tanta sanidade?

sam rock disse...

Walkyria, en el fondo la gente es una depredadora al constante acecho, ya sea en el espacio urbano de cemento y metales o en el espacio abierto de la selva semimpenetrable.
Deseo salir de caza con usted, dejar nuestra condición de canis lupus solitarios, y recorrer un territorio bañado por los tenues rayos de la luna.

Un grato aullido de amistad para você

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Alexandre...
nossa, vc fez uma ode à minha descendência...nem sei o que dizwer. Emocionou viu!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Angel...
como é bom ver um anjo voadno aqui

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Chica....
tem cada dia na nossa vida.... vc sabe!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Parole
bem vinda!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Lua Nova...
olha a gente quer ser livre e quer ser amado.... me parece uma contradição, difícil, dolorida....

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Alexander,
só posso citar Pessoa: eu que aguente comigo e com os comigos de mim!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Patrícia
gastura e'um termo que só quem sente gastura entende. Vc entende, desde o dia em que vi teu blog, e o coloquei no Vai que é Blog, eu sabia!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Ai Placco, eu não tenho dúvida não...... sei bem do que gosto. Gosto de ser livre, e gosto de discordar, gosto de ser eu mesma, e me perco nas opiniões alheias....

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Aluisio...
que bonito...que sina e que destino!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

b
nem sei como suportamos...nós as ditas loucas....

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Roque,
também desejo sair com você, adentrar no espaço da noite, como lobos solitários que somos, porém juntos!
Eu quero, eu desejo.

Alexandre Pereira Cruce disse...

Eu quis te homenagear e homenagear os Rennó e Suleiman (não é fraco misturar Mnemósine e Salomão..rsrs). Tb fiquei solidário contigo no teu sentimento de gastura. Ando sentindo algo semelhante e qdo vi teu poema, me tocou. E refleti/mexi no meu caldeirão através dele. E quis te agradecer pela colher emprestada. Tb quis lembrar justamente que memória, arte, imaginação, o belo, o carinho dos amigos estão ao teu alcance. Vc pode usar a colher também tb.

Beijão!


voltar pro céu