.

.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Bonita






Bonita, por Antonio Penteado Mendonça

A foto da mulher em pé na janela do prédio velho, foi pensada antes de ser batida. Não é uma foto espontânea, um flash de vida. Não, foi pensada, montada e executada.


A mulher não mora no apartamento atrás da janela. No entanto, ela, em pé no parapeito, segurando na vidraça, tem alguma coisa de imã, como se dependesse dela o prédio deteriorado, mas não tanto, se manter como parte da cidade, como parte viva da cidade. Respirando seu ritmo de passado, de coisa que um dia foi, mas ainda não deixou completamente de ser. E luta para permanecer.


A alma da foto é a mulher. Despojada, mais que informal, relaxada, quase despida pelo camisão branco que faz que a cobre, como quem não tem contas pra acertar. Como quem encara o mundo e a vida de frente, sem medo, mas sem soberba, porque estar vivo é uma dádiva que pode ser tirada a qualquer momento.


O duro é que não depende de nós.


Quanto de vida e de morte a janela já viu? E quanto ela escondeu?


Na longa existência do edifício quanto de bom e de ruim aconteceu por detrás dela? No semiescuro, na penumbra que não permite a quem esta do lado de fora ver o que acontece do lado de dentro.


Na foto o escuro do lado de dentro realça a beleza da mulher em pé na janela.


Não, ela não está saindo pela janela. Está lá, em pé na janela, imóvel, como um anjo aprisionado pela fotografia.


Bonita em sua naturalidade. Bonita no contraste com o prédio marcado pelo tempo. Ela também marcada, ela também vivida, mas íntegra e bela. No enquadramento da foto ela, a centelha que gera infinitos.


Crônica de Antônio Penteado Mendonça (o Nico), publicada em sua coluna diária na rádio Estadão ESPN, inspirado na foto de Mariana Teixeira, do still do curta metragem VELAR, de Nana Ribeiro.

12 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

Muito bacana, Wal!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Tania..... bonito né? Foi bem o clima do filme da Ana...... muito legal. Obrigada querida, por ter vindo.

DeniseSCARAMAI disse...

...bonita mesmo!

adorei!

betina moraes disse...

vou te contar...
fiquei maravilhada com a narrativa!

um beijo, wal.. do meu coração!

Mariana Teixeira disse...

Texto maravilhoso!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Denise

bonito mesmo, o Nico escreve muito bem, e a Mariana é mestra em fotos!
Obrigada querida Cia de viagem neste universo.

Walkyria Rennó Suleiman disse...

ßß querida, fiquei bem encanatda, mesmo pq, sem ter visto o filme, o Nico captou a mensagem atemporal da Ana.....
beijo vc!

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Mariana Querida..... queremos mais fotos!!!!
Obrigada por teu talento!

CAIS DO ORIENTE disse...

Linda foto e linda crônica !!!
Bjão
Nádia

Sylvio de Alencar. disse...

[i]'Quanto de vida e de morte a janela já viu? E quanto ela escondeu?'[/i]

Interessante o texto.
Abraços, Wall.

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Obrigada Nádia
bj grande

Walkyria Rennó Suleiman disse...

Silvícola, bacana né?
bj procê


voltar pro céu